Para os que me conhecem sou espírita, na minha infância e juventude dizia confiante sou espirita Kardecista como se isso me elevasse a cima das demais correntes espiritualistas.  O tempo, a necessidade e a curiosidade me levaram a conhecer outras formas de espiritualismo incluindo a Umbanda. Quanto mais meus olhos iam se abrindo para a diversidade do trabalho de amor ao próximo mais comecei a pensar sobre os estreitos preceitos que me nortearam até então.

Não sou médium vidente nem os espíritos falam diretamente comigo, então não sou detentora de nenhuma verdade. Os únicos instrumentos que tenho são os mesmos de todas as pessoas a intuição e o bom senso e estes dois instrumentos pedem para ter olhos amorosos para as obras que falam de amor ao próximo e espiritualidade, mas não levar tudo a ferro e fogo.

Dentro da literatura Espirita e espiritualista há, por exemplo, centenas de histórias sobre Jesus Cristo e Francisco de Assis. Algumas capazes de nos comover o coração até o âmago. O que é bom porque sua função é nos exortar no caminho do bem, mas considero perigoso bater no peito e dizer “A vida de Jesus foi assim ou assado”

Penso que acreditar em reencarnação, acreditar que fomos criados para evoluir permanentemente não pressupõe colocar esta ou aquela obra num pedestal e considerá-la verdade absoluta. Isso já faziam os judeus com a lei mosaica. Eu acredito que o plano espiritual é vasto como é vasta a floresta amazônica com os mais diferentes tipos de espíritos em diferentes graus de evolução, entendimento e forma de pensar sobre si mesmos Deus e o cosmos. Assim sendo teremos na literatura psicografada essas diferentes referencias que ainda são filtradas e alteradas pela imaginação e necessidade do médium/escritor.

Das obras espíritas/espiritualistas as que me parecem mais dignas de credibilidade são os livros de Allan Kardec, em especial o livro dos espíritos, principalmente pela forma como supostamente foram escritos – através da comparação da comunicação com os espíritos em locais e por pessoas distintas. Há estas obras uma falta de floreios sendo mais diretas e simples.

Não vou dizer que não gosto ou que desaconselho outras obras quando eu mesma me apaixonei por algumas como “Francisco de Assis” e “A Saga dos Capelinos” Só acredito que devemos guardar as coisas boas em nosso coração para fortalecer as boas ações e o bem viver – caridade, honestidade, humildade, alegria em viver… etc e ter cuidado para não nos tornamos iguais aos velhos fariseus que amavam a palavra escrita muito mais que seu conteúdo preferindo discutir picuinhas a por em pratica as boas ações.

Também não acho que só a literatura espirita tenha bons exemplos. Lendo Immanuel Kant e suas ideias sobre os princípios a priori me pareceu muito claro que somos crianças pequenas em face da grandiosidade do universo e que agora que começamos a questionar a nós mesmos e que somos facilmente somos conduzidos por nós mesmos as piores distorções do obvio por puro orgulho e vaidade. Kant fala de princípios universais de respeito e solidariedade tão lógicos como as mais básicas leis da física, no entanto ao ler os seus apoiadores e contestadores o que mais aparece são distorções.

Kant não era espirita, nem espiritualista, era filosofo pura e simplesmente e observava atentamente o mundo a sua volta no entanto suas teorias se harmonizam com ensinamentos que vem sido distorcidos por todas as religiões do globo – do Cristianismo ao Islamismo. Suas teorias me fazem pensar que se não fôssemos egoístas e fôssemos mais observadores não precisaríamos de religiões e seitas que nos apontassem o caminho do amor ao próximo. Seus princípios a priori estão em toda parte, aparecem no Budismo, no Induísmo, Islamismo, Cristianismo e todas as grandes religiões que nos moldam. Estão no cerne de todos os chamados profetas que já vieram e nas chamadas comunicações espirituais.

Assim eu acredito que quando lemos um livro seja ele de filosofia, ou uma obra psicografada precisamos abrir os nossos olhos da alma e buscar o que há de bom,  o resto é fé e isso é pessoal.

Nós agora que começamos a desnudar os mistérios da física e da biologia. Há imensas regiões em nosso planeta em que as pessoas ainda desconhecem noções básicas de higiene e confundem doenças com castigos divinos duvidado até da existência de vírus e bactérias e ainda nos achamos arrogantes de saber o que está no plano espiritual, Somos crianças que começam a ver através do buraco de uma fechadura e que tomamos pequenas partes pelo todo. Quem nos dará as chaves para os mistérios da vida e do mundo após a vida no corpo será a ciência, mas só quando paramos que ficar fascinados pelo misterioso.

Ainda olhamos para as pirâmides do antigo Egito e dizemos “não tem como o homem ter feito isso” Esperamos que dos hieróglifos saiam palavras de fogo e magicas insondáveis para explicar o que a matemática e a física são capazes. Por isso lemos livros e tentamos tomar suas palavras como verdades universais. espíritas e Espiritualistas precisam aprender a respeitar a diversidade de escolas. Cada história de amor que conta um nascimento e vida de Cristo diferente na mais são do que tentativas de resgatar a sua ideia original. Alguns mais bem sucedidos que outros. Alguns mais alegóricos que outros, mas a verdade histórica, creio que tenha se perdido nas areias do tempo e das grandes modificações que o judaísmo e o próprio cristianismo sofreram através dos tempos.

Anúncios