Até esta segunda feira eu também não sabia, mas ODM é a sigla para Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Mas o que é isso? É de comer, beber ou passar no cabelo?

Na verdade são um conjunto de oito diretrizes estabelecidas com base na Declaração do Milênio. Esse documento, proposto pelos países membros da Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000, foi criado para contribuir com a construção de um mundo pacífico, justo e sustentável no século XXI.

Para conscientizar e mobilizar a sociedade e os governos brasileiros em torno do tema, em 2004, o governo federal, o Programa das Nações Unidas pelo Desenvolvimento (Pnud) e organizações da sociedade civil e do setor produtivo uniram-se no Movimento
Nacional pela Cidadania e Solidariedade.

Ideias como a construção de um mundo pacifico e justo soam quase utópicas quando abrimos os jornais e eles faltam pingar sangue e a corrupção corre desenfreada em todas as instancias  de poder. Mas estes grandes ideais andam junto com necessidade da reforma ética de cada pessoa. Não podemos construir um mundo mais justo se não tentarmos ser mais honestos e justos em casa e no trabalho. Não podemos cobrar um mundo melhor se não fazemos nossa sociedade melhor.

Os Objetivos
de Desenvolvimento do Milênio

Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) são um conjunto de oito diretrizes estabelecidas por países membros da Organização das Nações Unidas (ONU), como  propósito  de contribuir para a construção de um mundo pacífico, justo e sustentável no século XXI. Elas foram desenhadas com base em um amplo debate realizado entre chefes de Estado, especialistas e a sociedade civil, durante as conferências internacionais sobre população,
meio ambiente, gênero, direitos humanos e desenvolvimento social, realizadas na década de 1990.

A ideia desses líderes era descrever o que era necessário fazer para reduzir a pobreza e alcançar o desenvolvimento sustentável até 2015. Durante a Cúpula do Milênio, realizada no ano 2000, na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque (Estados Unidos), os chefes de Estado dos 191 países presentes elaboraram o texto-base dos ODM e, no ano seguinte, comprometeram-se a:

1. erradicar a extrema pobreza e a fome;
2. atingir o ensino básico universal;
3. promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres;
4. reduzir a mortalidade infantil;
5. melhorar a saúde materna;
6. combater o HIV/aids, a malária e outras doenças;
7. garantir a sustentabilidade ambiental;
8. estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento

São belos objetivos e nota-se um certo movimento nesta direção, mas que vem sendo amplamente atrapalhado por dois fatores – a corrupção ativa e passiva nos governos e a passividade da população diante da falta de opção em relação aos candidatos destas eleições.
Muito dos recursos que são destinados a estes oito belos objetivos nunca chega ao destino. Um politico que desvia verba de saúde, educação e segurança é um genocida. Ao se beneficiar ele assina a sentença de morte de crianças subnutridas que teriam acesso a melhores condições de alimentação e doentes que não serão tratados e morrerão nos corredores de hospitais, são pessoas inocentes assassinadas por bandidos que podiam estar sendo presos e reeducados (ao invés de entulhados) nas nossas prisões.

O documento que estou lendo um documento que diz que estamos perto de alcançar os objetivos  1, 2, 3, e 6:

Objetivos
1. Erradicar a extrema pobreza e a fome

Metas 
1A – Reduzir pela metade, até 2015, a proporção da população com renda inferior
a um dólar por dia
1B – Alcançar emprego integral produtivo e trabalho decente para todos,
incluindo mulheres e jovens
1C – Reduzir pela metade, até 2015, a proporção da população que sofre de fome

Objetivos

2. Atingir o ensino básico universal

Metas
2A – Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, terminem um
ciclo completo do ensino básico

Objetivos

3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Metas
3A – Eliminar a disparidade entre os sexos nos ensinos primário e secundário
até 2005

Objetivos

6. Combater o HIV/aids,a malária e outras doenças

Metas
6A – Até 2015, ter detido e começado a reverter a propagação do HIV/aids
6B – Garantir, até 2010, acesso ao tratamento para HIV/aids para todos os que precisam
6C – Até 2015, ter detido e começado a reverter a propagação da malária e de outras doenças

 

Você acredita que estejamos realmente perto disto?

Eu realmente acredito que não e me sinto ludibriada ao pegar um documento que diga que sim. Acredito que grandes objetivos seja o que norteiam o desenvolvimento social e econômico, mas para que sejam atingidos exigem seriedade. Não vejo este nível de seriedade e comprometimento em quem sobe nos palanques para discursar com as mesmas velhas propostas.

Nossa educação hoje é feita de números. Números podem satisfazer burocracia, mas não expressam a realidade de que temos jovens semi analfabetos que saem da sala de aula incapazes de pensar criticamente e de compreender textos básicos. Eles se comunicam por redes sociais tendo acesso a apenas parte do que é “dito” /postado pois não compreendem os textos, sejam escritos ou imagéticos, em sua totalidade. Ouvem músicas em sua língua materna e quando perguntados sobre o que significado das letras simplesmente não sabem o que dizer.

Não estou sendo pessimista, estou sendo realista. Acredito que isso possa sim ser mudado, mas fica cada vez mais difícil se os professores não querem ficar em sala de aula.

 

 

Anúncios