Um texto para refletir

A escola é onde nossos jovens passam a maior parte do tempo e nossos alunos levam seus problemas para dentro da escola.

O professor, querendo ou não, acaba por se preocupar com muito mais do que o ensino de matérias, mas com a formação geral do indivíduo, mas o professor não pode nem deve lutar sozinho. Nossa sociedade precisa começar a olhar para a escola não apenas como um espaço físico, mas como um espaço social.

Nossas escolas carecem de espaço para que o aluno não se sinta prisioneiro, faltam quadras esportivas, faltam banheiros decentes, falta profissionais que auxiliem o professor. Nossas escolas hoje não constam com assistente social nem com psicólogos que possam atender aos alunos. Assim sobra para o professor, já sobrecarregado com 40 ou 60 horas de trabalho ainda atuar como psicologo dos 40 alunos de cada sala de aula, atuar como assistente social identificando as fragilidades e problemas familiares que influenciam no rendimento escolar e mesmo fora dele.

Fala-se muito na “melhoria da qualidade da relação entre alunos e educadores” mas como podemos melhorar essa relação se o professor está sempre casado? Como pode haver mais contato se o professor fica 40 horas em sala de aula e mal tem tempo em casa para si e para a família porque tem que planejar e corrigir atividades?

Para piorar o professor profissionalmente não se sente valorizado.

Vou contar um caso que é bastante comum.

Por volta das quatro horas da tarde chega um rapaz à secretaria, educado, rasoavelmente bem vestido para entregar currículo para contrato temporário de professor. Mas o dito cujo não é professor, nunca fez licenciatura e quer dar aulas de filosofia. O dito cujo é bacharel em direito.

Francamente, um bacharel de direito estudou o conteúdo de uma licenciatura completa em filosofia? Estudou didática? Estudou politicas educacionais? Estudou noções de psicologia voltados para a educação?

A resposta para todas estas perguntas e NÃO e por tanto ele não tem COMPETÊNCIA para estar em uma sala de aula. Ele não foi preparado para isso. E justamente por isso pela LDB ele não pode dar aulas.

Ao ouvir que a secretaria não pode pegar seu currículo pois ele não é habilitado para ser professor o pobre rapaz ainda tenta argumentar. “Ah, mas em Minas, de onde eu venho eu dava aulas.” “Lá não tem muitos professores da área então me deram uma permissão especial.”

Para mim soou como história da carochinha. Mas, não conheço a realidade de Minas. Conheço a realidade da minha cidade e aqui tem sim profissionais qualificados para filosofia, alias, temos mais profissionais do que vagas nesta disciplina em especial.

Mas por que uma pessoa NÃO QUALIFICADA vem se meter a querer dar aulas?

Pela desvalorização social da profissão. O professor ensina conteúdos, atua como “psicologo” “como assistente social” tem que possuir domínio de sala, capacidade de resposta rápida a diversos tipos de situações estressantes que ocorrem em sala de aula e fora dela – afinal não deixamos de ser professores porque o horário de aula acabou. Nossos alunos estão na rua, na lanchonete, no facebook e veem tudo que fazemos dentro e fora da sala, bem como pedem ajuda, muitas vezes, fora dos muros da escola.

Mesmo assim não há ORGULHO em ser professor. A sociedade considera uma profissão menor. Pessoas que fracassaram em suas próprias profissões acham que podem fazer um bico dando aulas, como se a cabeça das nossas crianças e jovens fossem penico.

Por mais que as secretarias rejeitem, e rejeitam , estes profissionais não qualificados para a sala de aula aparecem todos os dias.  Está na hora dos pais de alunos e sociedade em geral começar a se orgulhar dos professores que persistem na profissão, pois ninguém mais quer fazer licenciatura. Os cursos de Matemática e Letras estão fechando por todo o país, Químicos e Biólogos estão preferido fazer bacharelado e atuar em outras áreas mais valorizadas social e financeiramente. 

Me diga, o que a sociedade vai fazer daqui algumas décadas quando não houver mais professores suficientes?

Os profissionais que atuam hoje estão envelhecendo e não vão trabalhar para sempre. Eventualmente vão se aposentar, e não estou vendo uma nova geração de professores de Letras, Química, Física e Matemática que atenda a demanda para daqui 20 anos.

Ou valorizamos agora quem atua na educação ou precisaremos de SOCORRO muito em breve.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s