Não se pode agradar a gregos e troianos

Você gosta do seu cabelo? Do estilo de roupas que usa? Como você escolhe suas roupas?

Parecem perguntas bem bobas, mas não são. Vivemos uma sociedade que apesar de pregar “a liberdade de escolhas”  exige uma padronização de comportamentos e gostos. Observamos isso nos adolescentes que em busca de uma identidade própria experimentam estilos, mas deixam que a mídia e/ou os amigos definirem o que é mais aceitável ou não.  Cada grupo de adolescentes tem uma determinada padronização (isto vale para rapazes e garotas) do tipo de cabelo, do tipo de roupas, do tipo de vocabulário… Mas a “padronização ” de gostos e comportamentos não é uma invenção da adolescência e não é algo que desapareça com o tempo, apenas muda de forma.

A “Padronização” é um pressuposto das sociedades em geral. Comunidades buscam comportamentos integrados para permanecer coesa e assim comportamentos que fujam do padrão são vistos como ruins e indesejados. Este é um mecanismo necessário para coibir comportamentos que seriam destrutivos para a comunidade, tais como o roubo, assassinato, estupro, incesto, pedofilia etc..

No entanto este mesmo mecanismo serve de gatilho para noções preconceituosas.

O que determina que um cabelo verde é feio? Porque um vermelho de fundo rosa é “infantil” “adolescente” ??? Porque tingir o cabelo de louro, preto ou castanho é mais aceitável que outras cores?

R: Louro, castanho, preto são cores socialmente aceitas por serem padrões. Vermelhos acobreados podem até ser aceitos, mas não com tanta facilidade por fugirem do comum. Vermelhos intensos já começam a dividir opiniões entre feio x bonito, extravagante x atraente. Quando se trata de tons como verde, rosa, lilás, azul as pessoas tendem a torcer o nariz e/ou taxar como loucuras adolescentes porque fogem aos padrões preestabelecidos de normalidade.

20131118-191437.jpgEu nasci loura, passei a maior parte da minha vida com o cabelo natural ouvindo a vós dos outros. “Seu cabelo é tão lindo!” “Difícil tintura dar essa cor?” Aos vinte anos quando trabalhava no teatro pela primeira vez fiz mechas azuis no cabelo. O azul no louro cinza quase não aparece, mesmo assim eu amei. Usei até desbotar e o cabelo voltar ao normal.

Aos vinte e um anos pela primeira vez usei o cabelo vermelho. Usava o vermelho Rubi e adorava. Mas meu cabelo cresce rápido demais, e na época – universitária vivendo de estágios – não tinha grana para retocar a cada quinze dias, e raiz loura quando cresce fica igual aquelas velhas que esquecem de pintar o cabelo – o contraste não é legal, então aos vinte e dois deixei o cabelo crescer natural novamente. Demorou.

IMG_20140823_131653Agora aos 32 eu encontrei a mascara matizante que mencionei em outros posts e meu cabelo ficou um vermelho incrível de fundo bem  rosa. Eu amei em todos os sentidos, mas então vieram a voz dos outros. A voz que obedece aos padrões preestabelecidos. “Loura você fica mais bonita!” “Os Homens gostam mais de Louras!”

Desde quando os homens gostam mais de louras? Isso é um mito do cinema americano. Homem gosta de mulher que se gosta. Pode até ter uma preferência de cor, mas ela é mais determinada pelo ambiente em que cresceram. Determinados grupos de homens gostam de louras, outros preferem morenas, outros são tarados em ruivas…. e este fator é menos determinante que o formato da bunda ou o tamanho dos seios. Até nisso os “Padrões” enganam. Nem todo homem gosta de peitão, e nem todo homem curte mulher siliconada. Conheço homens que dizem na lata, prefiro um natural pequeno que um silicone que parece uma bola.

Quem realmente se importa com estes detalhes somos nós mulheres. Nós que estamos sempre insatisfeitas e querendo mudar a natureza. Se é aceitável algo tão agressivo e anti natural como colocar um enxerto artificial para aumentar o seios porque é visto como ruim ter cabelos de uma cor não comum?

Somos ridiculamente preconceituosos com o que é diferente, seja poque não estamos acostumados ou porque nos mostra o quanto somos covardes. Muitos de nós queriam fazer algo diferente e ousado, mas com medo do julgamento do mundo se contenta em parecer com todos.

Desafiar os padrões para atender ao próprio gosto estético é cansativo e complicado. De julho até agora meu cabelo vermelho de fundo rosado / para muitos rosa mesmo / levantou muita polêmica. Teve gente que amou e teve gente que odiou. Recebi todo tipo de criticas e algumas me deixaram bastante triste. Não acredito que a cor do meu cabelo seja o determinante na minha imagem. E apesar do que outras mulheres pensam os homens não olharam menos para mim, ao contrário. Acho que tive mais pretendentes depois que mudei o cabelo, não pela cor em si, mas por me sentir mais radiante. 1411733269586

Do mesmo modo que ouvi coisas duras influenciei muita gente também. Senhoras com mais de quarenta ou cinquenta anos que tinham medo de mudar e de ousar finalmente tiraram seus desejos do fundo da bolsa e fizeram algo novo por si mesmas.

Eu definitivamente amei meu cabelo assim, o modo como deixou meu rosto mais suave e juvenil, mas estou me despedindo do vermelho. Não porque teve que não gostasse. Cada um sabe de si! Estou me despedindo do vermelho por que a mascara que uso desbota muito e esta manchando minhas roupas e não encontrei tintura que dê este tom.

Fico triste em me despedir de uma cor de que gostei tanto, mas a manutenção está acabando com minha roupa de cama e com minhas roupas de trabalhar. Se mais a frente eu encontrar um outro vermelho que me agrada posso até experimentar.

 

 

Anúncios

Um pensamento sobre “Não se pode agradar a gregos e troianos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s