A Prefeitura, por meio da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) cobrará até R$ 2,24 o metro quadrado pela limpeza, remoção e destinação final dos resíduos sólidos, em lotes cujos proprietários não fizeram tais serviços que são de sua responsabilidade legal. Já a multa varia de R$ 250 a R$ 1.000, de acordo com a zona fiscal do terreno. E caso haja foco do mosquito Aedes aegypti, a multa chega a R$ 16 mil. A cobrança está regulamentada em lei sancionada pelo prefeito Paulo Garcia no dia 22 de dezembro deste ano e que tornou mais rigoroso o combate ao Aedes aegypti, com a modificação da Lei nº 8.887 de 2010.

Fonte: Prefeitura inicia notificação de lotes baldios via edital

 

Comentário pessoal –

Duro quando uma questão de educação e higiene precisa doer no bolso.

O lote ser baldio não significa que deva virar depósito de lixo ou um matagal para esconder assaltantes,  estupradores, viciados, animais peçonhentos como cobras…. Quem tem um terreno não construído é sim responsável pela manutenção dele e é justo sim que a negligencia seja multada já que paremos não entender outra forma de educar o cidadão.

Agora é preciso levar em consideração a vizinhança destes terrenos que ao invés de contribuir para a manutenção da qualidade de vida prefere acumular lixo. Sei que vai ter muito proprietário pagando pelas garrafas pet e descarte de pneus de vizinhos mal educados e porcos e que parecem não ter inteligencia suficiente para entender que o lixo que jogamos na rua ou no terreno baldio alheio também é foco do famigerado mosquito da dengue.

Anúncios