Segundo determinação deliberada pelo secretário e pelo governador há dois dias, a partir de agora o servidor que precisar se ausentar do trabalho por motivo de saúde por mais de três dias – caso tenha dengue, por exemplo – a assinatura do médico ou odontólogo que atestará a necessidade terá que ter firma reconhecida em cartório.

Além da decisão, outra também é bastante polêmica: não serão homologados atestados de comparecimento ou acompanhamento a consulta médica ou realização de exames. Isso significa que o funcionário público não poderá mais se ausentar do trabalho para acompanhar seu neném, filho ou mesmo pais ou avós em consultas.

As decisões surgem pouco tempo depois do governo restringir o número de consultas e de exames pelo Ipasgo.

Anúncios