No dia da posse da primeira presidenta do Brasil, em 1o de janeiro de 2011, sabe quem estava nos Trending Topics do Twitter? Marcela Temer, esposa do vice Michel. Realmente deu a impressão que, pra uma grande parcela da população, faixa de miss (Marcela foi miss em alguma cidade do interior de SP) era mais importante que…

——————–

Agora, dois dias depois da dupla Temer e Cunha aprovarem na Câmara o impeachment de Dilma, Veja publica uma matéria sobre a “quase primeira-dama”: “Marcela Temer: bela, recatada e ‘do lar'”. É praticamente uma hagiografia da moça (e, por tabela, do vice), um elogio a valores que a Veja e outros conservadores veem como adequados e louváveis numa mulher. Força e poder, já sabemos, são aceitáveis só pros homens.

via MARCELA, A MULHER IDEAL DA VEJA — Escreva Lola Escreva

Agora o que eu penso.

1º Toda mulher deve ter o direito de escolher que tipo de vida quer levar. Se Marcela está feliz sendo a pequeno burguesa do lar. A esposa troféu. Bom para ela. Nada contra.

2º Tentar empurrar Marcela como modelo de mulher ideal na sociedade de hoje é no mínimo uma atitude cretina da revista veja.
3º Estamos tentando ensinar para a geração atual e a próxima que felicidade não é ter um homem do lado. Que o príncipe encantado não existe. Que a felicidade estampada nas revistas de ricos e famosos é apenas um lado da história. Que relacionamento é uma troca, cada relacionamento tem seus termos para funcionar e que os papeis de gênero não precisam ser estáticos para dar certo. Homem pode cuidar de tarefas domésticas, mulher pode ganhar mais que o marido etc… Então vem a veja e despeja Marcela esposa de um comprovado corrupto como ideal de felicidade!?

E o respeito a todas as outras mulheres que não foram miss e que não vão casar com um marido rico para ser esposa troféu? Quantas meninas sofre hoje de diversos distúrbios associados a imagem (bulimia, anorexia, etc) em busca de parecer com o que modelos como Marcela representam ( o casamento feliz e sem esforço, como se existisse relacionamento perfeito e sem esforço)  O respeito a mulheres e trabalham por opção? O respeito as mulheres que trabalham por necessidade de sobrevivência? A veja está nos mostrando um conto de fadas bancado com dinheiro sujo, com uma ideologia retrograda.

 4ºEu respeito o direito de escolha da mulher que queria ser DO LAR – É um direito. O que eu repudio é que isto seja feito como modelo de felicidade perfeita. Felicidade é subjetivo e não pode ser reduzido a modelos estanques sejam eles reacionários ou feministas ou o escambau.

5º Acho sim Marcela Bonita e elegante. Amaria ter parte do guarda-roupas dela. Mas ela ser bonita e elegante não fede nem cheira para a política do país. Não traz nenhum benefício para ninguém. Eu admiraria muito mais se ela fosse engajada em alguma pratica objetiva da vida pública. Se usasse sua imagem para fazer algo bom e útil para alguém alem dela mesma e seu seio familiar. Mas, como eu disse, tudo é uma questão de escolha. Talvez seu casamento se apoie neste tipo de escolha. Ser apenas um adorno. Sabemos que na prática há muitos casamentos assim.

6º Não acho que ela seja uma mulher de sorte – Tenho certeza que a seu modo ela se empenhou para estar onde está.

7º Não acho que Temer seja um homem de sorte – Ter uma esposa Troféu não é sorte. Para muitos homens é uma forma de demonstrar seu poder econômico x idade e se autoafirmar perante outros homens e perante a sociedade em si. E não é exatamente difícil achar uma mulher bonita que ocupe esta posição –  já que as mulheres são educadas para pensar que este é o grau máximo de felicidade.

img_40518º O Modelo de Mulher pintado pela Veja Através de Marcela não me representa e nem o meu ideal de felicidade. Admiro: Médicas, Advogadas, Artistas em geral, Escritoras, Policiais, Caminhoneiras, Estivadoras qualquer mulher que busque a felicidade por si mesma ao invés de ficar sentada esperando que caia no colo.
9º Meu ideial de relacionamento não é – MEU HOMEM ME BANCA E ME MIMA – Meu ideal de relacionamento é – APESAR DAS DIFICULDADES DO DIA A DIA NOS RESPEITAMOS E NOS AJUDAMOS.

 

 

 

.

Anúncios