coisas que acho legais · Minhas infantilidades/animes/mangás · Minhas opiniões

Palpites e Reflexões

(As imagens deste post foram pescadas em diversos posts antigos aqui do blog e fazem parte da minha galeria de reflexão)

Faz vários dias que não posto nada original. Acontece que as vezes sinto como se fosse mera espectadora no mundo e na vida.

img_2970É difícil sempre ter algo a dizer, mais difícil ainda ter algo que valha a pena dizer. Quando entramos nas redes sociais todo mundo parece mais do que ter uma opinião, parecem ser donos da verdade sobre “corrupção” “PT” “Temer” “Lgbt” “Racismo” “Cultura do Estupro” Como se fosse possível haver uma só verdade, total e absoluta. O mundo não é preto e branco, bom e mal nem bem x mau. Vivemos em escalas de cinza.

Isso quer dizer que devemos aceitar as coisas como estão?

NÃO

Acredito que devamos sempre buscar melhorar, que devemos almejar mais honestidade, mais respeito as diferenças, menos sexismo… eis aí o X  da questão. Melhorias não vem dos DONOS DA VERDADE QUE ATACAM TODOS QUE TEM OPINIÕES DIFERENTES.  Melhorias reais vem de atitudes.ESSE PT E DEMAIS (23)

Como assim?

Vejamos a revolta geral contra a corrupção – É muito fácil apontar o dedo para os outros, mas e as atitudes do dia a adia. Nepotismo é errado para os outros, mas quando somos nós, nossos parentes é errado? Muita gente sei que engasgaria na hora de responder, porque achamos que nossos parentes que estão em cargo publico ou posição de poder tem o dever de nos “ajudar”, independente do mérito. Ou pior, tem que ajudar aquele primo, ou sobrinho meio para nada na vida, porque coitada da mãe… e por aí vai. Quando achamos normal burlar as regras estamos sendo piores que Temer ou a banda podre de qualquer partido. Enquanto acharmos que podemos “só dessa vez” parar em fila dupla, estacionar em vaga de idoso ou deficiente, levar vantagem no troco, superfaturar no comércio – lucros de 100% na venda até de um alfinete…. estaremos sendo coniventes com pessoas como Eduardo Cunha. Não quero que a próxima geração seja de novos Cunhas – repetido os erros dos pais que acham normal estacionar em fila dupla na porta da escola ao invés de parar um pouco mais longe e andar uns dois minutos.

Sobre as mídias / jornais e novelas – principalmente novelas

Somos jogados de um lado a outro por fragmentos de ideologias que nos são impostos pela doutrinação ESSE PT E DEMAIS (20)via novelas. Não inventaram meio melhor de subjugar um povo que a novela brasileira. Ela finge ser libertária, finge ter valores revolucionários, mas se pensar bem ela propaga a separação de classes, a sociedade estamental, a separação entre negros e brancos. Basta olhar quem são os protagonistas. Mesmo o discurso de gênero é tradicional, mesmo que haja homossexuais na trama, seu núcleo é quase sempre cômico e/ou a parte. As heroínas sempre seguem o mesmo padrão que visa doutrinar o lugar da mulher na sociedade, os heróis são sempre os “machos alfas/pegadores que levam metade do elenco feminino para a cama antes de ficar com a mocinha” assegurando o padrão masculino de comportamento social e sexual como mais livre que o da mulher, o que ele pode a mulher que repete o comportamento é puta. Mesmo a traição é vista como algo aceitável quando parte dos protagonistas masculinos. Quase não vemos locais de trabalho efetivamente, a vida das personagens é no parque, no churrasco, no bar, na rua, na calçada. Os ambientes de trabalho são sempre cenários transitórios nos quais não se vê relações de trabalho, mas transição de cenário para este ou aquele diálogo. Como é possível toda uma teledramaturgia que ignore que passamos de 8 a 12 horas no ambiente de trabalho e com os colegas de trabalho, nossa vida efetivamente acontece no trabalho. Mas a TV insiste e dizer que a nossa vida acontece no ócio, ou única e exclusivamente no seio familiar. Quanto tempo por semana passamos com a família? Quanto tempo passamos com os colegas de trabalho?

Não acha estranho toda nossa produção de TV e Cinema ignorar o ambiente de trabalho? Em outros países TV e cinema fazem o caminho inverso, a vida das personagens desenrolam-se a partir do trabalho seja ele de faxineiro ou empresário. Temos o mito do ócio como fonte de felicidade, sendo ensinados a não questionar as nossas relações de trabalho, porque elas não são parte de nossas vidas. A TV ensina que a vida acontece antes de depois do trabalho, nas longas horas de ócio que só os personagens da ficção são capazes de ter. Acho que por isso não tenho saco, para novelas. A artificialidade desta ideologia é perigosa. Nos mantém na linha. Nos torna menos questionadores. E talvez por isso as tvs por assinatura tenham tanto sucesso com séries (enlatados americanos) que mostram um ambiente de trabalho ativo e vibrante (também é uma forma de doutrinação) que se opõe a nossa visão de ócio/felicidade e prega a satisfação profissional como principal forma de chegar a felicidade – ou trata do conflito satisfação profissional x família pregando quase sempre a nossa amada família tradicional como a ideal.

Sobre PT e “Fora Temer” – gritar palavras de ordem é muito bonito, mas o jogo de poder é muito mais complicado que isso. Somos analfabetos econômicos e políticos adestrados por uma mídia que jamais foi comprometida com a verdade e passa diretamente por esse serviço/desserviço doutrinário da nossa TV aberta.

Nossa vida não se divide em compartimentos – religião, trabalho, prazer/lazer, economia, política. Estas coisas estão interligadas. Precisamos de um estado laico para garantir o respeito as religiões – do catolicismo à umbanda, precisamos reconhecer a importância do trabalho em nossas vidas não só como forma de subsistência(chibata) – mas como fonte de prazer e estresse dependendo do trabalho exercido e nossa relação com este trabalho – prazer/lazer não deve ocorrer só no “ócio”, mas deve permear nossa vida e devemos ter acesso as fontes de lazer sejam parques ou cinema, ou teatro etc… Economia está ligada desde ao fato da igreja não pagar imposto ao preço do pãozinho e sim faz parte do nosso dia a dia, politica engloba tudo que foi dito, mais a manutenção dos serviços públicos, a qualidade das ruas e estradas, o preço do combustível, a escola dos seus filhos, o  hospital que salva ou tira sua vida, a segurança ou falta de segurança nas ruas. Não se pode ter saúde, segurança e educação se acreditamos quem discursos intolerantes como o de Bolsonaro, achamos que corrução acontece só no PT, que família é só a tradicional e menosprezamos outras formas como mães solteiras, filhos criados por tias, avós etc, filhos de pais solteiros, se achamos que novela é um entretenimento inocente(toda forma de contar história é doutrinadora e tem sim ideologia, o importante é saber qual é essa ideologia para saber se a aceita ou não ao invés de engolir passivamente) tira-047

Houve momentos de 2013 para cá que tive realmente esperança de que o gigante, adormecido em berço esplendido, tivesse acordado, mas ele foi habilidosamente ninado e amarrado pelas ideologias estacionárias que impregnam a nossa mídia que habilmente se faz aproximar dos movimentos, com nomes de artistas e shows elaborados se apropria deles e os condiciona a seus interesses. Foi assim com o #Vemprarua que muita rapidamente perdeu sua identidade e tornou-se mecanismo de controle.

Somos carentes de movimentos relevantes. Vejamos o MST – que deveria lutar por reforma agrária, mas virou ferramenta de grilagem e outras formas de alienação de terras. Vejamos os sindicatos, financiados por dinheiro publico – extorquido de nós uma vez ao ano sob a fora de “contribuição sindical” – Se contribuímos forçadamente para os sindicatos via governo e o governo faz o repasse que representatividade em esse sindicato para nós? A lógica dita que a lealdade está com o pagador que na verdade passa a ser o governo tirando o sindicado a necessidade de esforço para agremiações, retira a necessidade de ideologia etc… o melhor exemplo deste esvaziamento chama-se SINTEGO. IMG_0294

imageSobre a cultura do estupro

Está na moda defender ideologias que colocam “cada macaco no seu galho” como se a humanidade pudesse ser resumida por nossa biologia pura e simplesmente, ignorando que somos seres sencientes – que homens e mulheres temos desejos, aspirações, necessidades. Colocam como se a natureza nos fizesse apenas macho e fêmea e que seria natural o domínio de um gênero sobre outro. Esta ideologia nos resume a esposa, filha, puta, objeto sexual, objeto reprodutivo, o que é mórbido.

Mais uma vez tempos mídias nos bombardeado com a ideologia de que a mulher ou é objeto de desejo ou Featured Image -- 4255é esposa recatada e do lar. Nossas histórias não tem lugar para mulheres fortes que não escolham no final ser esposas e mães. Nosso descaso com o fato de que a vida acontece relacionada ao trabalho coloca nas novelas as mulheres donas de casa, mães e piriguetes. Quando aparece uma personagem feminina bem sucedida ou ela é megera, ou é mal amada esperando o príncipe encantado que a transformará em uma mulher do lar. As heroínas sempre apresentam um padrão de beleza bastante semelhante e as tramas são basicamente as mesmas – mocinha ama mocinho, vilão os mantem separados até quase os últimos capítulos,  mocinha chora, mocinho pega geral, se casam no fim – no melhor estilo Aurélia Camargo.

6ze9a0rxz4_d9x8xwisi_file

Aliás os modelos básicos da nossa teledramaturgia são Aurélia que depois de uma historia inteira sendo incrível se ajoelha para o marido. Luciola, a prostituta de alma pura e romântica, Isaura a escrava branca, porque falar de negros é ofensivo para as elites brancas então uma heroína escrava tem de ser branca, ainda que filha de negros, e tem que ter um pé na elite para merecer o mocinho. Não temos histórias de conquistas ou vitórias que saiam do papel de mulher esposa no final.

Somos objetificadas desde o começo, aprendemos que meninas devem amadurecer cedo, não devem brincar de carrinho, não são privilegiadas com brinquedos estimulantes ou educativos, mas sim com maquiagem, saias, e bonecas. Uma menina que queira praticar esportes e não balé é masculinizada e ridicularizada. Aprendemos que somos pedaços de carne e que saias curtas são autorização para sermos alisadas e até mesmo estupradas. Aprendemos que meninos podem ser imaturos até os 40 mas meninas aos 12 tem que saber que já são mulheres e são/somos obrigadas a amadurecer.

Homens são educados para ter sucesso profissional, somos ensinadas a acompanhar o sucesso do 13qsedh8d5_3w6i0s80qi_filemarido, mas nunca a buscar o nosso porque logo devemos ter filhos e devemos viver em função deles e do marido que quase sempre é uma criança grande que chega em casa do trabalho, e mesmo sabendo que a esposa trabalho tanto quanto ele durante o dia, ele põe os pés para cima e espera que ela faça a comida, limpe a casa e o sirva…

Somos estupradas física e emocionalmente desde que nascemos apenas por sermos mulheres e somos hostilizadas ao jogar isso para fora, ao reivindicar um espaço no mundo.

Não acredito que a biologia possa definir direitos ou deveres, posição de poder ou subserviência. Acredito que a essência humana seja uma só, animando os corpos de homens e mulheres, e que por isso merecemos o mesmo respeito. Acredito que haja diferenças fisiológicas a serem respeitadas e não usadas como fonte de segregação. Acredito que diferenças étnicas sejam bênçãos e não motivo para discriminação racial – a variabilidade genética é que nos torna belos e não a uniformidade que por fim gera mais doenças congênitas que bem.

Não acredito em beleza branca, beleza negra, beleza parda ou asiática- acredito em beleza e pronto. Beleza que só se destaca por sermos diferentes e únicos feitos de uma loteria genética que só pode ser presente de Deus.

wpid-img_33260250018185.jpegPara mim Deus não está nos rituais e regras elaborados bom homens e traduzidos tantas vezes que ganharam a ideologia dos tradutores, está na perfeição da criação que segue regras complexas que a física e a matemática mal começaram a desvendar. As leis divinas são mais perfeitas que a compreensão humana que distorce em benefício próprio, que segrega muitas vezes só para satisfazer o ego dos que se incomodam com a diversidade do mundo. – Acredito no Deus chamado pelo Cristo de Deus de amor que acolhe ao invés de apedrejar.

Se hoje Cristo descesse a Terra em forma física e visse como a sociedade trata as chamadas “minorias” que na verdade são “maiorias oprimidas” seria o primeiro a se revoltar contra os fariseus bolsonaros, e com a corrupção dos “romanos Cunhas/FHC/MST/PTS//PSDB/PMDB/Grandes Empreiteiras/Empresários do capital especulativo etc…

Usa-se a religião para acomodar as pessoas na pobreza, quando devia ser fonte de alivio e solidariedade. Usa-se a religião para justificar a intolerância fascista/racista/sexista quando devia ser o refugio para justamente aqueles que sofrem. A humanidade é a única espécie que brutaliza seu semelhante por poder e benefício financeiro, por riquezas de papel. Não somos muito melhores que as sociedades primitivas cujas castas superiores usavam trabalho escravo e faziam sacrifícios humanos, só temos mais tecnologia que eles e isso me deixa profundamente triste. Desejo todos os dias que sejamos melhores que isso.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s