Aloe vera – vulgo babosa – plantinha amada quinta-feira, set 28 2017 

Bom dia!

Hoje volto a falar de cabelo. Afinal vira e mexe o blog vira um cantinho de vaidade feminina e isso é muito saudável. Para amar ao próximo é preciso amar a si mesmo, e uma face do amor a nós mesmos é manter alguns cuidados com o corpo e mente.

Vaidade não é a grande vilã da vida, o mal está no exagero, no tentar ser eternamente jovem sem aproveitar cada fase da vida com suas alegrias e dores. Dito isto vou para o tema do post de hoje.

images

Quem nunca ouviu falar de Babosa? Aloe Vera?

Uma plantinha maravilhosa que tem a maior cara de quintal de vó.

Na minha infância primas e tias sempre usavam e eu achava aquilo estranho e meio nojento, parecendo baba. Uma eca. Pois bem, o tempo passou, a economia mudou, passamos por melhorias financeiras e logo os tratamentos cosméticos naturais desapareceram. Já na minha adolescência ninguém parecia lembra da existência dela . Entramos de vez na era dos produtos industrializados, o auge dos silicones e parafinas para o cabelo. Meus cachinhos viviam alisados e empastados. Hoje eu sei porque meu cabelo ficava opaco quando secava natural – a ditadura dos silicones e pomadas para baixar o volume, sempre na bolsa, sempre empastando o cabelo.

Pois bem, desde tive o cabelo emborrachado e corte químico por conta de ter descolorido do vermelhão para o louro platinado sem recuar na progressiva, o terror de toda mulher, ou estava preso, ou escovado ou escondido sob algum acessório. Passei a testar tudo que diziam ser bom para o cabelo, tenho alguns post no blog sobre produtos que usei, até que conheci a henna e o método champi(umectação)  entrei em uma onda mais natural aos poucos reduzindo as químicas da minha vida, Abandonei os petrolatos, reduzi o uso de shampoo com sulfatos fortes, troquei tinta por henna, passei a usar óleos naturais para umectar, então as memórias da infância pareciam perguntar porque não experimentar. É natural, ainda existe no quintal de vovó – como plantinha ornamental.

Primeiro passo foi pesquisar um pouco sobre a dita cuja. Ela está nos melhores pós sol do mercado por ser um cicatrizante danado de eficiente.

Eu nem imaginava que essa plantinha chamada vulgarmente de babosa, é utilizada pelo homem há mais de 5.500 anos como planta medicinal, conforme registros em papiros egípcios datados de 3.500 anos antes de Cristo. Outros registros de seu uso com fins medicinais e cosméticos são encontrados nas civilizações, árabe, grega, egípcia, romana, asiática e africana. Incluem-se aqui as citações bíblicas em Cantares 4:14 e João 19:39, além da história egípcia relatar que suas rainhas Nefertite e Cleópatra usaram a babosa com grandes efeitos positivos como fitoterápico e cosmético.

O exercito romano carregava folhas e mudas, usavam o gel por cima e dentro de feridas de combate.

Os efeitos positivos da Aloe vera (babosa) podem ser obtidos Externamente como: downloadhidratante, adstringente, emoliente, anti-inflamatório, analgésico e protetor da pele contra os raios UV do sol, imunoestimulante, retardador do envelhecimento da pele, excelente cicatrizante em cortes, ferimentos e queimaduras em geral, auxiliar nos tratamentos de , acne, alergias e picadas de inseto, erupções, edemas, eczemas, manchas, crostas, seborréias, caspa e queda de cabelos, psoríase, erisipela, úlcera varicose, escaras, câncer de pele, herpes simples e de zortes, além do uso cosmético.

O gel de Aloe vera possui em torno de 75 componentes entre vitaminas, aminoácidos, enzimas,ácidos graxos, saponinas, complexos antraquinônicos e sais minerais. Promove ativação dos fibroblastos, aumentando tanto a síntese de colágeno quanto de glicosaminoglicano, levando à reparação dos tecidos.

Ou seja, a industria farmacêutica se beneficia horrores quando nos esquecemos dos conhecimentos tradicionais. A química farmaceutica tradicional fragmenta os conhecimentos e encapsula princípios ativos . Não nego que tenha seus méritos no tratamento de doenças, na descoberta de novos princípios ativos e na redescoberta de antigos, mas o uso de produtos naturais também tem seu espaço no mundo.

Por mais que tenhamos evoluído tecnologicamente e estejamos deixando nossos espaços esterilizados ainda há espaço para o contato com a natureza em nossas vidas. Não se trata apenas de ativos, pois se fosse apenas isso os produtos de farmácia seriam suficiente, mas há a questão também da energia. Somos seres orgânicos, e o contato com a medicina  natural não é excluir os benefícios da medicina tradicional, dar ao nosso corpo estímulos orgânicos e anímicos para se manter saudável.

Amo a industria cosmética, não penso em ser totalmente vegana, mas acredito que quando introduzimos o equilíbrio com tratamentos naturais nos tornamos mais sadios. Eu estou amando a redescoberta da babosa, infusão de gengibre (para o couro cabeludo) óleos naturais etc.

Receitinha para o uso de babosa

  •  O gel de uma folha média ou grande – nunca use a casaca porque pode causar alergia
  • 4 colheres de creme branco sem silicones insolúveis em água, sem parafina e outros petrolatos – pode ter queratina (receita para o meu cabelo que molhado bate pouco a baixo do ombro e é cacheado )
  • 4 colheres de oleo de coco
  • 2 colheres de óleo de ricino

Bato no liquidificador para melhorar a textura e facilitar a aplicação. Passo do couro cabeludo até as pontas (no cabelo limpo e quase seco) massageio bem o couro cabeludo com as pontas dos dedos (estimula a corrente sanguínea, fortalece e auxilia no crescimento) no comprimento aplico fazendo movimentos apenas de cima para baixo para fechar as escamas (enluvando as mechas) coloco uma touca e deixo agir no mínimo 30 min e o máximo que já deixei foi uma tarde (estava fazendo faxina na casa) enxaguar normalmente e aplicar o condicionador – não o cabelo não fica com aspecto oleoso. O restante do óleo que não tiver saído no enxague sai com a aplicação do condicionador. Não uso shampoo porque já lavei bem antes de aplicar a máscara.

  • obs I- a combinação da babosa com os óleos previne o couro de ficar oleoso e tem ação fungicida, adstringente (limpante) e bactericida. pode ser feito uma vez por semana ou a cada 15 dias. 
  • Obs II – faz um ano que não sei o que é ter pontas duplas e meu cabelo cresce como mato. 
Anúncios

Projeto Rapunzel V – Não desistir dos meus cachinhos quarta-feira, ago 9 2017 

Depois de tanto tempo falando de politica, violência contra a mulher etc… chegou a hora de descontrair um pouco. Tem uma era que não falo dos meus amados cabelos. kkkk

Como eu disse algumas vezes – falar de cabelo não é mera futilidade, tem haver com auto-estima, auto aceitação, amor próprio… O fato de tantas mulheres estarem em guerra com suas madeixas tanto quanto com seus corpos mostra o quanto somos movidos pela necessidade de aceitação em nossos grupos sociais.

Vemos essa necessidade de aceitação em um padrão preestabelecido de beleza e feminilidade quando observamos na rua “Qual biotipo predomina?” “Quais os procedimentos de salão que mais são feitos?” – acertou se disse que predominam as luzes louras/alouradas e as progressivas.

Para muitas mulheres hoje o ato de retornar aos cabelos naturais (seja na textura e/ou na cor) figura como um ato de rebeldia contra o padrão preestabelecido de beleza. Se a mulher for negra (em todas as nuances que nossa miscigenação permite) então torna-se muito mais significativo, porque é um resgate de ascendência.

No meu caso o retorno a textura natural dos cabelos foi tanto por estar insatisfeita com essa estranha padronização em que todas somos louras quase platinadas e lisas quanto pelo fato de eu ter finalmente detonado meu cabelo com tantas químicas.  Lembro bem de uma tarde que tirei foto com 4 amigas e todas tínhamos o mesmo tom de louro liso, sendo que somos diferentes em gostos, personalidade, tom de pele e apesar das nossas maravilhosas diferenças estávamos parecendo barbies em uma prateleira. Embora tenha nascido loura – meu cabelo até poucos anos atrás era natural –

20160313_190946000_iOSA ideia original era postar uma vez ao mês o crescimento, mas quem tem cabelos cacheados sabe que a coisa não é tao simples assim. A ultima vez que minha linda juba viu uma tesoura foi em janeiro deste ano conforme post anterior: Projeto Rapunzel – Ultimo corte do ano! 

Foi um choque ficar com esse cabelo curtíssimo. Isso por que sempre gostei de cabelo comprido e o mais curto que ousei cortar foi pouco a cima da altura do ombro. Como disse algumas vezes foi assustador e libertador ao mesmo tempo. Descobri que os cachos são mais fáceis de cuidar que o cabelo alisado. Menos gasto com salão, não preciso ficar preocupada de ficar com as pontas espigadas, esticadas, estranhas, ou ficar oleoso a ponto de fritar um ovo na testa, nada mais de ficar passando chapinha pela manhã para “retocar” nem me preocupo se vai chover kkk.

No entanto sinto falta do comprimento, sempre que me olho no espelho fico imaginado como vai ficar mais longo, e NÃO EXISTE MILAGRE QUE FAÇA O CABELO CRESCER DO DIA PARA A NOITE. Infelizmente. Desde que cortei tenho tido alguns cuidados especiais com o cabelo – para fortalecer e auxiliar no crescimento. Posso dizer que meu cabelo cresce os incríveis, maravilhosos e inacreditáveis 2 cm por mês o que é uma taxa ótima.

O meu cabelo sempre foi bom para crescer, estava na média de 1,5 cm por mês – pode parecer pouco mas não é. Se alguém diz que o cabelo cresceu muito mais que isso em um mês desconfie, cabelo não é capim, ele se desenvolve de dentro para fora de acordo com como e o com o que você come, com sua saúde interna e do couro cabeludo. Existem produtos como suplementos alimentares que ajudam. Mas não fazem o cabelo crescer 5 cm no mês. Existem shampoos que estimulam o couro cabeludo, óleos naturais que garantem saúde para a raiz e comprimento de modo que possamos sim aproveitar o crescimento com qualidade dos nossos fios.

Seguindo estes critérios experimentei umectação capilar – com óleo de rícino, óleo de uva, óleo de amêndoas doces e óleo de abacate (usei a primeira vez o de abacate segunda feira) – como já disse aqui eu amo fazer umectação porque estimulou o crescimento e deixou o comprimento realmente mais saudável. Uso óleos naturais, sem silicone ou parafina. Compro em casas de produtos

 

Para que serve “Aquele pincel” ? parte I Base quarta-feira, ago 2 2017 

Algo super comum é a gente ter dúvidas sobre que pincel usar na hora da make. A gente vê aqueles vídeos maravilhosos no youtube, vídeos que fazem maquiagem parecer a coisa mais fácil do mundo, e cada maquiadora/blogueira tem seus pinceis preferidos. Mas e nós, pobres mortais que tentamos aprender com elas? Como nós ficamos?

Em primeiro lugar, precisamos conhecer a nós mesmas. Maquiagem pode fazer parte do seu dia a dia por diversos motivos, necessidade por conta de ambiente de trabalho, ocasionalmente para dar um up, diariamente por prazer, etc…

Uma pessoa que faz maquiagem ocasionalmente por necessidade não terá a mesma paciência de quem faz maquiagem por gostar e consequentemente não vai tolerar passar camadas e camadas de produtos, sem falar que makes para o dia tendem a ser mais rápidas e leves.

Então antes de comprar aqueles kits maravilhosos e luxuosos a primeira coisa a saber é “Como eu vou me maquiar?” Está é a primeira e mais importante pergunta. Ela pode de economizar muito dinheiro porque comprar pinceis muito baratos em olhar a qualidade só pela quantidade é prejuízo, pode causar alergias, pode não dar o efeito desejado na maquiagem. Comprar tudo do bom e do melhor de uma vez é garantia de muitos reais desperdiçados em pinceis que a gente não usa, e alguns que a gente nunca tem certeza para que serve.

Se você vai de make leve, sem muita firula invista no básico.

Vamos ao 1º passo. Vai de base? BBcream? CCcream?

Base é algo que nem todo mundo usa, mas se vai em uma festa e quer dar aquele efeito mais sofisticado então é bom ter um pincel. – BB e CC cream podem ser aplicados com os dedos. Embora eu prefira pinceis.

downloadComo pode ver, existem muitos tipos de pinceis de base. Não precisamos ter todos eles, apenas um ou dois já são suficiente para um make básico.

Lembro que cada curso de maquiagem que fiz me ensinava com um pincel diferente, afinal cada marca que oferece o curso puxa a sardinha para o seu lado. Então a gente aprende, depois de um tempo, que algumas marcas desenvolveram pinceis próprios para a textura de seus produtos, mas que existem alguns corigas no mercado, que vão bem com qualquer maquiagem.

images (1)

 

Os mais comuns para aplicação de base são os língua de gato. Meu primeiro pincel de base foi um desses. Nunca me adaptei ao danado. Sempre achei o acabamento com ele pesado, mas tenho amigas que amam e não abrem mão dele.

 

 

Meus coringas são –

 

rosaA esponjinha rosa lindinha da imagem a cima.. Ela é muito boa para aplicar base, tem gente que usa ela direto na base e aplica dando batidinhas, e tem gente que molha para ela não “chupar a base” e economizar alem de dar um acabamento mais suave – na minha opinião. Para usar molhando a esponja é importante em investir em uma marca que seja anti alérgica e fungicida para não correr o risco de mofar. Embora eu adore a esponjinha eu uso muito menos do que pensei que usaria quando comprei.

imagesNa verdade isso é uma escovinha. Gente que delícia de cerdas! Quando virou moda entre as blogueiras eu meio que torci o nariz, pensei isso não vai dar certo para mim. Mas nunca diga desta água não beberei. Paguei 34 reais em uma loja de cosméticos perto de casa e foi amor desde o primeiro uso. Acho que espalha bem a base e o bbcream sem deixar aquele ar pesado de reboco. Aproveita bem o produto, mas precisa ser higienizado com certa frequência para não saturar as pontas das cerdas e nem perder a maciez. É muito fácil de higienizar e para mim faz uma cobertura perfeita.

pincParece o dual fiber, mas é o Kabuki, é o que tenho a menos tempo Ele é muito usado para apicar base, confesso que ainda não apliquei base diretamente com ele, mas tenho usado logo depois de aplicar o bb cream com a escovinha, ele é bem macio e dá um efeito mais natural ao acabamento. Uso em movimentos circulares suaves em todo o rosto.

 

 

Claro que se formos desfiar o rosário vamos achar um monte de outros pinceis para base, pinceis fofos, esponjados, pinceis de precisão, mas acho que esses ficam para quem realmente gosta e para quem trabalha de maquiador/a profissional.

Para quem não usa base com frequência ou quem se maquia em casa um a dois já revolvem bem.

 

Da série – vaidade / cuidados com a pele – falaremos da máscara de gelatina segunda-feira, jul 31 2017 

Podemos dizer que existe vaidade e Vaidade. A primeira está ligada ao amor próprio e ao domínio do próprio corpo, a segunda diz respeito a dar mais valor aos padrões estéticos estereotipado que assassinam o amor próprio é nos torna bonecas moldadas para o prazer e deite alheio.
Quando estou na frente do espelho não estou em guerra com a imagem que vejo. Eu me amo, mas como toda mulher enfrento o fato de que não estou ficando mais jovem. Não existe como parar o tempo, mas há muitas maneiras de viver bem a passagem dele.
Para mim me cuidar é exercer a autonomia sobre mim, é exercer um picou do prazer de amar a mim mesma.
Gosto de buscar cuidados alternativos e naturais. Na minha adolescência não tive problemas de cravos ou espinhas, mas hoje eu tento em especial no queixo e nariz. Tentei diversas máscaras anti cravos e nada resolvia – usei máscaras da Avon, cicatricure e outras. Elas até removiam alguma coisinha, mas onde estavam os mais profundos elas nem faziam cócegas 🤗. Os pontos pretos continuavam firmes e fortes. Claro que já tinha ouvido falar da máscara de gelatina, mas nunca dei muita atenção até que uma colega de trabalho constou que fez e que doeu horrores para tirar.
Aí fiquei curiosa e fui procurar alguns vídeos. Gente, é uma choradeira só. 90% das mulheres diziam que arrancava até a alma na hora de puxar. Mas no quesito cravos as opiniões se dividiam.
Resolvi testar.
Não sou masoquista, mas algo que puxa tanto deve atracar algo. Fiz a bendita.
Receita –
1 colher de gelatina sem sabor
4 de água – vi receitas vi menos mas fica muito forte 💪 e acredite com 4 colheres 🥄 já dói como o inferno a 1 vez.
Aqueci a água no microondas 1 minuto – misturei bem até virar uma pastinha e apliquei ainda morna. Na imagem está vermelha porque nesta minha segunda vez não achei aqui perto de casa a sem sabor normal, comprei a royals sem sabor vermelha. Na verdade é a mesma coisa da sem sabor transparente só wit com corante alimentar. Não interfere na eficácia e mostra melhor os cravos.
Porque essa máscara dói pra cacete? Porque além de remover os cravos ela também depila o rosto. Você não leu errado, ela remove is pelos do rosto, aqueles que você nem sabia que tinha. Dói como depilar o buço com cera. Então já fica avisado não é uma máscara para pele sensível, nem para quem tem tendência a foliculite.
Hoje fez 15 dias que fiz a 1 vez, então achei que já estava na hora de repetir. A imagem não é das mais bonitas, mas da para ver bem os cravos – essa coisa branca que parece um alien 👽, bem como os pelinhos faciais.
Dica- quando for remover não puxa devagar, puxa sempre de uma vez que dói menos e arranca mais fácil tanto pelos quanto os cravos.
Nunca uma máscara tinha removido de forma tão eficaz os pontos pretos do meu nariz.
Gostei muito da textura da minha pele logo depois. Apesar de vermelha ficou lisinha e muito macia.
Na sequência para tirar os resíduos finais da máscara lavo bem o rosto
Amo esse sabonete líquido, ele é esfoliante e por isso é preciso ter cuidado, aplicar de forma bem suave em movimentos circulares. Nunca jamais por força nem esfregar como se lixasse a pele. Especialmente porque estará vermelha e sensível. Quando enxáguo com água fria vejo os cravos que não saíram na máscara pularem para fora.
Os cravos saltam também durante a aplicação do creme noturno Amo esse creme. Tem uma textura meio gelatinosa e acalma bem a pele noite.
Nos dias seguintes vocês não tem ideia de como a pele fica boa para fazer maquiagem. O bb cream cobre muito melhor. Tanto por conta da textura da pele quanto por a máscara ter removido a maior parte dos pelos faciais.

Minha teoria é que a gelatina morna abre os poros e a água fria fecha os poros e ao fechar expulsa o que resta dos cravos.

Perguntinhas que não querem calar – perguntinhas para todos os tipos de ruiva quinta-feira, jul 27 2017 

Quase toda garota ama batom. Nesse quesito sou meio exagerada, adoro um bom batom.
Com minhas peripécias capilares notei que cada cor de cabelo da mais certo com um tipo de batom. Os que ficavam bons com cabelo azul não foram os mesmos que ficaram legais com o louro platinado e não são os mesmos para a juba ruiva.
Claro que apesar de todas as mudanças os batons que mais uso ainda são os vermelhos, mas e vocês "Qual o batom que combina com sua pele e cabelo ?"
Apesar da opinião alheia qual o wit você mais gosta?
Qual cor de batom jamais usaria?
Ficar ruiva mudou seu feito defazer a make no dia a dia ?
Desta singela caixinha qual ou quais acha que ficam Melhor no ruivo acobreado ?Com o ruivo nude?

O que as ruivas de pele morena e as ruivas negras acham que fica mais legal para divar no dia a dia?

 

 

 

 

E qual combinaria com os ruivos mais vermelhos ou Marsala ?
O que você não abre mão na make para o dia? E na make noite?
Prefere se maquiar ou pagar uma maquiladora quando precisar "naquela festa?"
Qual seu vídeo de make preferido ?
Indique três blogueiras que considera antenadas para responder essa enquete.
https://necessairedemulher.wordpress.com
http://pitacoseachados.com/

http://vivendocomcharme.com/

Próxima Página »

Mochileiro do Pensamento

Pensamentos transformadores que se propagam pelo Universo

Danielly Chaves

"As pessoas não sabem o que querem, até mostrarmos a elas." Steve Jobs daniellychavesblog.wordpress.com

Menu de Mulher

Seu cardápio diário do mundo feminino

DICAS JESSICA MARQUES

Beleza, dicas, dia a dia, cachos, reflexão e outros.

Cachos & Caprichos

Transição capilar

Cida Cachos

Amor & Cuidados

lovelycablog.wordpress.com/

Por @carolalbareli

JuOrosco

Filmes e Livros: Literatura, Filosofia e Sociologia

Random Thoughts

An irregular arrangements of thoughts in my journey towards self exploration

vivendocomcharmedotcom.wordpress.com/

Moda, maquiagem, decor, cotidiano e outras feminices

%d blogueiros gostam disto: